Este website utiliza cookies para melhorar a navegação. Ao navegar no website estará a consentir a sua utilização. Para saber mais clique aqui.

SÁBADO por C-Studio

Partilhe nas Redes Sociais

Powered by

Unibanco

Carregar sem fios

Carregar sem fios

Descubra como pode ser tão mais simples carregar o telemóvel com uma nova geração de carregadores portáteis. Sem fios, sem complicações, sem espinhas.


Publicado em 07-Jan-2019

Qualquer espectador de ficção científica sabe perfeitamente que, no futuro, ninguém se preocupará em carregar os gadgets. Pelo menos não da forma como o fazemos, ligando o aparelho ao cabo, o cabo ao transformador e o transformador à corrente.

Felizmente, esse futuro no qual simplesmente deixamos o telemóvel em cima de um “tapete”, que o carrega, está muito mais próximo do que parece. Sobretudo agora que existe um standard (Qi) para o carregamento sem fios e que as novas gerações de smartphones começam já a suportar de fábrica esta tecnologia, sem necessidade de recorrer a capas especiais ou acessórios que, basicamente, desvirtuavam toda a lógica da simplicidade subjacente.

Hoje, todos os topos de gama das marcas, Samsung Galaxy S9, Huawei Mate 20, iPhone Xs, suportam esta funcionalidade, mas da LG à Xiaomi existem muito mais marcas (e modelos) que o fazem. Pode verificar aqui se o seu telemóvel é um deles.

Como funciona?

“Estas tecnologias utilizam uma espécie de carregamento por indução cujos princípios vêm do tempo de Nikola Tesla há quase 100 anos, mas permaneceram sem grande utilidade prática ao longo dos anos – para além de terem carregado uma mão cheia de modelos de escovas de dentes elétricas. Um panorama que inúmeras marcas estão agora dispostas a alterar, aplicando-a aos mais variados equipamentos para sua casa.”

Na verdade, apesar de se chamar sem fios, na prática não funciona bem assim, já que a base continua a ter de ser ligada à eletricidade. Apenas o segundo cabo, aquele que liga a base ao aparelho, é dispensado. E ainda que a maioria continue a assumir uma forma dedicada, muitas surgem já disfarçadas de mobília, como é o caso deste candeeiro do Ikea ou desta base de computador. 

 Geralmente, cada base está pensada para receber um aparelho de cada vez, mas existem os duplos, como este da Samsung,   e até mesmo triplos. Idem para os materiais, que podem ter um look futurista ou, pelo contrário, retro, em madeira

Por outro lado, quando comparamos a velocidade destas bases com os carregadores, sobretudo os fastchargers, reparamos que ainda não conseguem as mesmas velocidades, embora a praticidade possa atenuar essa situação. Geralmente a potência mede-se em watts, 5 W, 7,5 W, ou 10 W são as mais comuns, mas existem já carregadores de 15 W, como este da Huawei que já promete a mesma rapidez. Esta é uma das tecnologias na qual veremos muitos avanços no futuro.