Partilhe nas Redes Sociais

Vendas de pasta da Altri crescem 4% em 2019

No exercício de 2019, a Altri produziu 1.099 mil toneladas de pastas, tendo vendido 1.084 mil toneladas, o que corresponde a um crescimento, em termos de volume, de 4% face aos números reportados em 2018.

O preço médio de mercado da pasta papeleira (BHKP), em 2019, situou-se nos 764,9 €/t, o que representa uma queda de 13% face ao preço médio registado em 2018. Uma conjuntura menos favorável que acabou por se refletir no resultado final do grupo, apesar do bom desempenho alcançado na produção de pasta e na quantidade vendida.

As receitas totais do Grupo Altri atingiram, no exercício de 2019, 753,5 milhões de euros, o que corresponde a um decréscimo de cerca de 4% quando comparado com o exercício de 2018, tendo as receitas totais associadas às unidades de produção de pasta ascendido a 667 milhões de euros. Em termos de volume, a venda de pasta em 2019 registou um crescimento de 4%, alcançando as 1.084 mil toneladas de pasta, das quais 995,3 mil foram relativas a pasta papeleira (BHKP) e cerca de 88,5 mil toneladas de pasta solúvel (DWP).

O resultado líquido consolidado do Grupo Altri no exercício fiscal de 2019 atingiu 100,8 milhões de euros.

Exportações ascendem a €530 milhões

As exportações associadas às unidades de produção de pasta no ano passado ascenderam a cerca de 530 milhões de euros. A Europa, excluindo Portugal, é o principal mercado de destino das vendas do Grupo, representando 68% do total das vendas, ou seja, cerca de 741 mil toneladas. Portugal representou 12% das vendas, e o mercado asiático representou cerca de 9% da quantidade de pasta comercializada.

Os produtores de papel tissue são os principais clientes da Altri, com uma quota de 52%, seguem-se os produtores de especialidades e os produtores de papel gráfico de impressão e escrita, com quotas de mercado de 14% e 22%, respetivamente.

Os produtores de filamentos de viscose – consumidores de pasta DWP – representam cerca de 9% das vendas.

EBITDA de €233,1 milhões
Os custos totais relativos a 2019 ascenderam a cerca de 520,4 milhões de euros, o que corresponde a um crescimento de cerca de 5,7% face ao montante de custos registados no exercício anterior.

Importa referir que, à semelhança de 2018, no exercício em análise os ativos biológicos foram avaliados ao justo valor, o que originou um incremento de cerca de 1,9 milhões de euros no valor do ativo.

O EBITDA de 2019 atingiu 233,1 milhões de euros, um decréscimo de cerca de 20% face ao EBITDA registado no ano anterior, tendo a sua margem atingido os 30,9%. O EBIT registado em 2019 foi de 157,8 milhões de euros, o que representa uma redução de cerca de 32% face ao ano anterior. De realçar ainda que o investimento líquido total (Capex) realizado durante o exercício de 2019 pelas unidades do Grupo ascendeu a 70 milhões de euros.