Este website utiliza cookies para melhorar a navegação. Ao navegar no website estará a consentir a sua utilização. Para saber mais clique aqui.

Powered by

Unibanco
7 estratégias para regressar ao trabalho cheio de entusiasmo 7 estratégias para regressar ao trabalho cheio de entusiasmo

7 estratégias para regressar ao trabalho cheio de entusiasmo

7 estratégias para regressar ao trabalho cheio de entusiasmo

Acabaram-se as férias e, para muitos, o teletrabalho – e isso vai exigir um sério planeamento, para enfrentar este recomeço sem stress e com otimismo.


Publicado em 18-Set-2020

Segundo a consultora imobiliária JLL, a procura de escritórios em Lisboa disparou em agosto passado. Naturalmente mais do que nos meses anteriores, que estiveram praticamente parados, mas inclusivamente 19% acima do período homologo de 2019, o que representa um claro indicador da tendência para o regresso ao trabalho presencial já este mês. No Porto o movimento é semelhante, embora os números não sejam ainda tão expressivos. Só que, infelizmente, estes não são os únicos estudos que existem sobre o tema, e o Linkedin, por exemplo, promoveu um no qual 75% dos trabalhadores revelaram estar muito preocupados com a crescente exposição aos “outros”, que podem não estar a tomar os mesmos cuidados para se protegerem do Covid 19 do que “nós”.  O estudo foi realizado apenas nos Estados Unidos, mas é consentâneo com outros feitos na Europa – e não será complicado tirar ilações semelhantes para qualquer outro país, incluindo Portugal. Afinal, o número de infetados está pior ainda do que quando nos mandaram para casa.

Então, como conciliar duas realidades aparentemente antagónicas, para mais num mês de setembro que já é, tradicionalmente, de recomeços? A resposta é simples, planeando, antecipando, e seguindo algumas estratégias para minimizar os riscos e potenciar todas as vantagens.

7 estratégias para regressar ao trabalho cheio de entusiasmo | Unibanco

1 Não seja saudosista

Foque-se nas vantagens do presente e evite os pensamentos do tipo “quem me dera estar na praia com os amigos” ou “em casa é que estava bem”. Principalmente porque todos sabemos como bem se queixou do tempo passado em casa, “com o marido/a mulher sempre ao lado, mais os filhos a berrar e com dúvidas escolares permanentes”. O “não ter ninguém com quem falar”,  o “estar sempre sozinho”, etc, etc, e consoante o caso… Este tipo de pensamento apenas retira foco e potencia os motivos para deprimir. Concentre-se nos (ou descubra os) pequenos prazeres de todos os dias, porque esta sim, é a sua vida – as férias são só um intervalo.

2 Recomeçar implica adaptar

O reajustamento a uma nova realidade é raramente imediato. Necessita de um período de adaptação, tanto maior aliás quanto maior foi o afastamento dessa mesma realidade. Ora este setembro implica, para muitos, essa tal dupla adaptação, pois já não se trata só de voltar ao trabalho, mas ao trabalho presencial, uma realidade da qual pode estar afastado há meses. E mesmo para quem já tinha dado esse passo o choque, sendo menor, lá continua, igual a todos os fins de verão anteriores. Lembre-se, quando iniciou as férias também não estava em modo relaxado, nem de mente nem de corpo, e agora que regressa à atividade precisa também de dar um tempo para que ambos voltem a ter o mesmo foco o mesmo ritmo. Para isso será importante ainda…

3 Não tente fazer tudo num dia

“Roma e Pavia não se fizeram num dia” e querer fazê-lo só irá provocar mais ansiedade e frustração. Por muito tentador que possa parecer chegar e mostrar como está a 120% e capaz de responder a qualquer solicitação, “possível isso não é” para parafrasear um pequeno mestre Jedi. Será por isso mais do que nunca importante estabelecer prioridades, utilizando como critérios a importância e a urgência e não ser demasiado exigente consigo mesmo.

4 Planear para reduzir a ansiedade

Se tiver qualquer dúvida fale com o chefe, os recursos humanos ou os colegas sobre o tema. Esclareça todo os pontos, porque isso irá ajudar a sentir-se mais em controlo. Tal como deverá antecipar possíveis cenários: situações nos transportes, às refeições, no posto de trabalho e com os colegas…tudo para evitar ter de tomar essas decisões no momento. Obviamente, nunca se esqueça ainda de levar sempre gel desinfetante e máscara – mais uma extra por segurança.

7 estratégias para regressar ao trabalho cheio de entusiasmo | Unibanco

5 Fale com os colegas

Pode ser um dos momentos de maior stress, mas não hesite em interagir com os colegas. Vai ajudar a melhorar o ambiente e promover de novo o espírito de equipa. Procure saber como foram os últimos tempos, que peripécias viveram, onde foram de férias e como foram esses dias… Existem inúmeros temas para explorar, que servirão obviamente para estar a par, mas também para descontrair e descansar um pouco a cabeça. Considere ainda fazer um pouco de meditação ao longo do dia. Basta uma pausa de 10 minutos, está provado, para ajudar no aumento de produtividade e a sensação de bem-estar.

6 Reagir ao stress

Cada pessoa reage de forma diferente a momentos de ansiedade: há quem fique com dores de cabeça, quem tenha dificuldade em respirar, fique mal do estômago ou tenha dificuldade em dormir… e até há quem “apanhe” tudo… esteja atento a estes sinais, recorde-se se já os teve no passado, para poder identificar antecipadamente o problema e agir de acordo, realizando por exemplo mais alguns exercícios de respiração, mindfulness ou desportivos. Lembre-se constantemente dos aspetos positivos do seu emprego (e da sua vida), e foque-se neles.

7 Pense a longo prazo

O que hoje pode parecer desconfortável, insuportável mesmo, daqui por algum tempo não passará de uma distante recordação difusa no seu passado. O mesmo é dizer que relativizar os problemas de hoje é fundamental na progressão da carreira e isso é válido hoje, como ontem e amanhã…