Este website utiliza cookies para melhorar a navegação. Ao navegar no website estará a consentir a sua utilização. Para saber mais clique aqui.

Powered by

Unibanco
O Praia no Parque é barra em <em> sushi</em> O Praia no Parque é barra em <em> sushi</em>

O Praia no Parque é barra em sushi

O Praia no Parque é barra em sushi

É ao balcão do restaurante Praia no Parque que se come um dos melhores sushi de Lisboa, com vista para o chef a preparar tudo com um cuidado que só se vê no Japão.


Publicado em 22-Set-2020

Não temos muito a tradição de comer ao balcão. Com honrosas exceções, como o notável trio croquete, prego e imperial do Gambrinus, no geral o balcão serve sobretudo para o café e pastel de nata – ou para quem vem sozinho, e não tem com quem dividir mesa. Mas esse não é definitivamente o conceito aqui, pois a barra foi feita para receber solitários, casais e até pequenos grupos, desde que venham com apetite – e tempo – para provar um sushi diferente, feito com um esmero e um cuidado raros deste lado do planeta.

Os japoneses chamam “Kodawari” a esta ideia perfecionismo e atenção ao detalhe, e desenrola-se bem à nossa frente – mais uma vantagem de estarmos sentados ao balcão. Assim podemos observar a sábia arte do chef Lucas Azevedo e do seu sidekick, Celso Szczerba, à medida que preparam cada nigiri, sashimi ou hosomaki ao momento. Não existem muitos lugares – e ainda bem, porque o objetivo é oferecer um serviço personalizado, interativo e com um belo curso de iniciação à cultura e à gastronomia japonesa. Todo o oposto de comer a despachar.  

O Praia no Parque é barra em <em> sushi</em> | Unibanco

Obviamente que ninguém coloca tanto cuidado a preparar ingredientes banais, e esse é o segundo segredo desta experiência: os peixes são os mais frescos, apanhados em mar aberto, o atum é rabadilha bluefin, e as partes utilizadas apenas as mais saborosas: akami (lombo), chutoro (barriga) e toro (uma zona da barriga com a carne ainda mais gorda). Algum do atum chega a ser maturado – leu bem, peixe maturado, até três semanas – localmente e com toda a confiança. Mas há mais, porque o wasabi é fresco, cultivado na horta e ralado na hora, a anos luz do que costuma comer. O gengibre é guardado em pickle caseiro e o molho de soja feito na cozinha. O arroz, quando é servido, ainda vem morno, acabado de fazer e enriquecido com vinagre envelhecido. As algas e algum do peixe são “marcados” com carvão bichotan, o que lhes confere uma textura mais estaladiça.

O Praia no Parque é barra em <em> sushi</em> | Unibanco

Lucas Azevedo aprendeu quase tudo o que sabe nos anos à frente da cozinha do Bonsai, mas numa recente viagem pelo Japão, “uma viagem cultural e de conhecimento”, aproveitou também para aperfeiçoar algumas técnicas estagiando em restaurantes de sushi de Osaka a Tóquio. É todo este conhecimento adquirido que podemos agora provar, acompanhado por sake à altura, servido em copo de vinho, para abrir melhor os aromas. Sempre ao balcão e com a melhor vista – até porque as mesas do restaurante no Parque Eduardo VII continuam dedicadas à carne maturada e aos (restantes) pratos de inspiração internacional.

O Praia no Parque é barra em <em> sushi</em> | Unibanco

Praia no Parque, aberto de terça-feira a domingo das 12h às 18h. E-mail: reservasparque@apraia.pt e telefone: +351 968 842 888